Shalom U’Berachá,

Na leitura da Tora que sempre precede a festa de Purim, encontramos o relato sobre o encontro infeliz que nosso povo teve logo após a sua saída gloriosa e milagrosa do Egito.

“Zachor Et Asher Assa Lechá Amalek “ – lembra o que Amalek fez contigo no caminho quando saístes do Egito.-  “Asher Koracha Baderech”. A palavra Koracha pode ser entendida como o “encontro” ou também como “o esfriou”, ou seja, Amalek nos encontrou no caminho de nossa saída do Egito e nos esfriou.

Desde aquele tempo, Amalek se tornou para o povo judeu, o símbolo da indiferença, distanciamento e apatia.

O grande mestre, o Baal Shem Tov, escreveu em uma de suas famosas cartas: “Eu desci para o nosso mundo com o objetivo de consertar e revitalizar os ossos ressecados. Devemos buscar em cada coisa a sua própria alma e vitalidade.”

A isto, vem se juntar as palavras do Rebe Rayats, o sexto Rebe de Lubavitch, que afirma que todo assunto ligado com Avodat Hashem - o Serviço Divino-,  o estudo da Torá e o cumprimento das Mitzvot, estes devem ser realizados com intenso fervor e calor íntimo, como se fosse uma chama de fogo.

Podemos melhor enxergar estas características através de uma pequena analogia:

Um rei famoso tinha um lindo passarinho que era seu animal de estimação. Ele lhe dedicava muito amor, visto claramente quando quebrou uma perninha, perdeu suas penas e, ainda mais, o rei continuou amando-o e cuidando dele.

Após a morte do passarinho, o rei ficou inconsolável. Para acalmá-lo, seus servos lhe trouxeram um pássaro feito de ouro puro e de extrema beleza. 

Revoltado e sem conseguir se conformar, o rei lhes disse: 

Meu pássaro, apesar de todas as suas deficiência e dificuldades, era cheio de vida. Porem, este de vocês, feito de ouro, com toda a sua beleza e perfeição, é algo que foi sempre inerte e sem vida.

A Torá nos ordena “Vachai Bahem “, vocês devem viver por ela e com ela.

Kol Atsmotav Tomarna”, -todos os meus ossos dirão- : Devemos saber que a alegria nos é inerente; a força e vigor nos são inerentes, porem , mais ainda , devemos estar sempre conscientes de que a fonte de toda esta imensa energia é a nossa Sagrada e pura Torá.

Estamos entrando no mês de Adar e devemos saber que D’us nos reservou para este mês, doses adicionais de alegria.

A família Mishcan Menachem deseja a vocês a real felicidade. Não aceitem menos do que Besimchá Guedolá.